5 cuidados que você precisa ter com o câmbio automático

5 cuidados que você precisa ter com o câmbio automático

12/08/2020

O carro automático é o grande desejo de muitas pessoas. Afinal, deixar de se preocupar com as marchas e ter mais comodidade no dia a dia no trânsito ou na estrada são atrativos interessantes. Com a popularização deste tipo de veículo, muitos motoristas se deparam com diversas dúvidas na hora de colocar o carro para rodar.

E por mais que um sistema automático pareça funcionar sozinho e exigir menos manutenção, diversos cuidados no uso são fundamentais. Conheça aqui o funcionamento do câmbio automático e quais ações devem ser tomadas para aumentar sua vida útil.

 

Coloque o câmbio automático no modo correto ao parar

Para cada ação no volante existe uma atitude a ser tomada que fará a diferença no desempenho final do veículo. Por exemplo: nunca engate o R (ré) ou P (parking) quando o carro ainda estiver em movimento, mesmo que esteja bem devagar, quase parando.

Caso pretenda dar ré, espere até o veículo parar de vez antes de passar da posição D (drive) para R. Você pode até puxar o freio de mão antes de colocar o câmbio na posição P para eliminar qualquer esforço extra no desengate e evitar trancos.

Já em engarrafamentos ou no semáforo vermelho, engate o N (neutro) quando o veículo parar – por mais que a maior parte das transmissões automáticas façam esse processo sozinhas após algum tempo – e engate o D novamente quando pisar no acelerador.

 

Use o freio motor nas descidas

É fundamental saber que em declives o N nunca deve ser engatado. A opção ‘neutro’ do câmbio automático tem função similar ao ponto morto de um carro manual e, quando engatada em descidas exige muito mais dos freios, que precisam segurar sozinhos todo o peso do veículo. O certo a se fazer neste caso é mudar do D para uma marcha mais forte, como a terceira ou quarta. Com isso, a caixa de marchas vai ajudar os freios a segurarem o carro – função chamada de ‘freio motor’. Assim, além de evitar o superaquecimento dos freios, você evita um desgaste anormal da caixa de marchas.

 

Estacione em ladeiras com o freio de estacionamento

Seja uma subida ou uma descida, a ação deve ser a mesma ao estacionar: acionar o freio de mão e, somente depois, engatar o P. Para sair, faça o contrário e insira a alavanca em D e depois solte o freio de mão. Essa sequência evita o travamento do câmbio no P, que acontece devido ao peso do veículo.

 

Use os dois pés para os dois pedais

Usar somente o pé direito para dirigir um carro automático é um hábito relacionado ao que se aprende para dirigir um veículo manual. Este costume pode ser mudado quando se tem um pedal a menos: você pode acelerar com o direito e frear com o esquerdo. Caso queira colocar em prática essa nova maneira de dirigir, faça testes em baixa velocidade, pois o pé esquerdo que não está acostumado à sensibilidade do pedal de freio, pode usar força demais e fazer o carro a dar trancos.

 

Verifique a troca de óleo do câmbio automático

Nem todos os carros precisam dessa troca, e o manual do veículo pode informar caso seja uma exigência. Quando necessária, é uma manutenção que normalmente deve ser feita a cada 30 mil km, se for mineral, ou a cada 50 mil km se for sintético.

Um indício de que é necessária a manutenção é a perda de rendimento do veículo ou quando ele começa a trepidar em arrancadas. Isso acontece devido ao excesso de fricção causado pela lubrificação que está abaixo do ideal. A consequência de não dar atenção a essa manutenção é grave: o sistema pode superaquecer e deixar de funcionar.

Mesmo que não seja preciso trocar o óleo do câmbio do seu veículo, é fundamental verificar periodicamente o nível do fluído e manter esse cuidado em dia. Assim como é importante fazer a manutenção do nível do líquido do radiador, afinal, esse fluido refrigera a transmissão e, se houver superaquecimento do propulsor, haverá também do câmbio.

Fleet News